Orto_21_05_site

SAÚDE RENAL DE UM FILHO COMEÇA NO UTERO, DEFENDE ESTUDO INTERNACIONAL

Postado em

As condições no útero de uma mulher podem afetar o desenvolvimento do rim e ter sérias implicações para a saúde de uma criança, não apenas imediatamente a seguir ao nascimento, mas também décadas depois. A conclusão é de um estudo, publicado em 2013 no “journal” The Lancet, levado a cabo por uma equipa de investigadores australianos. Fonte:Science Daily

Após acumulação e revisão por investigadores da Universidade de Queensland e de Monash de evidência científica realizada neste âmbito, cientistas australianos, orientados pelo Professor John Bertam, associaram o baixo peso de um recém-nascido e a prematuridade – fatores de risco de vir a ter pressão arterial elevada e contrair a doença renal crónica mais tarde na vida – a valores reduzidos de nefrónios.

Os nefrónios são unidades funcionais dos rins, responsáveis pela regulação da pressão arterial e pelas filtragem e excreção de substâncias tóxicas do sangue e pela produção de urina.

Na Austrália, cerca de 30% da população adulta tem a pressão arterial elevada. Um em cada nove adultos tem um sintoma clínico de doença renal crónica. A incidência de ambas as doenças é significativamente superior nas populações indígenas, lembra o portal Science Daily.

A evitar: Antibióticos, gorduras,

“O rim é particularmente sensível à vida antes do nascimento, porque paramos de produzir nefrónios às 36 semanas de gestação. Portanto, para um bebé nascido no tempo previsto, o processo de formação de nefrónios termina e não pode ser recomeçado”. As palavras são do professor Bertram, chefe do Departamento de Anatomia e Biologia do Desenvolvimento, um dos principais investigadores neste trabalho e que estuda há duas décadas nefróns.

Os humanos nascem com uma média de um milhão de nefrónios e perdem até 6000 cada ano. Os resultados da investigação agora publicados revelam que há uma grande variação no número de nefrónios – entre pouco mais de 200 mil e cerca de dois milhões.

Além disso, o número de nefrónios está positivamente relacionado com o peso no momento do nascimento – um baixo peso à nascença equivale a um número baixo de nefrónios. Acontece também o contrário: quanto mais forte for o bebé, mais nefrónios tem.

Uma vez que o baixo peso à nascença acontece em 15% dos nados vivos em todo o mundo, o estudo tem implicações na saúde da mãe e nos processos clínicos de monitorização dos pacientes.

“Em termos de saúde materna durante a gravidez, coisas como dietas ricas em gorduras, consumo de álcool, antibióticos e cortisol têm revelado ter um impacto negativo no desenvolvimento do rim fetal, embora sejam necessárias mais investigações [neste âmbito]”, acrescentou Bertram.

Pro atividade na prevenção

“Podemos ser proativos na detecção destas doenças nos primeiros estádios”, defende  o especialista que dirige esta investigação.

Alerta-nos ainda para termos cuidado com as aparências: “Embora um recém-nascido possa parecer perfeito, se o seu peso de nascimento for baixo, poderão verificar-se consequências quarenta anos depois”.

As recomendações continuam: “Dadas as fortes associações entre o peso à nascença, o número de nefrónios e a doença mais tarde na vida, e sendo um facto que o peso dos recém-nascidos é registado regularmente em muitos países, sugerimos que [esse] peso possa ser um parâmetro que os médicos usem para determinar o quão frequentemente um paciente é examinado no que toca à função renal ou face a um teste de pressão arterial.”

Na Ortobioclinica você encontra profissional especializado em NEFROLOGIA, entre em contato e agende uma consulta! Estamos a disposição para atende-la.

Fonte: Portal da Dialise

Imagens: Bigstock by theodor38